Educação como ato Político

“O professor aprende ao ensinar e o aluno ensina ao aprender” (Paulo Freire)


Aguçando um pouco nosso campo de percepção, perceberemos as relações de poder fortemente enraizadas e propositalmente enrustidas em nossa cultura, dentro e fora do ambiente escolar. Desde a infância somos tratados como objetos - nossos professores se posicionaram com superioridade antes mesmo que soubéssemos alguma coisa sobre hierarquia ou abuso de poder. Nossas potencialidades particulares têm sido sempre renegadas, ignoradas, excluídas.

É provável que muitos dos professores que tivemos tenham tido outros professores que também os ensinaram desta maneira. Se relacionarmos isso a uma breve análise histórica de nosso desenvolvimento enquanto brasileiros, podemos lembrar o quanto fomos frágeis e acostumamos a repetir comportamentos sem nunca questionar seus motivos ou conseqüências.

Os professores, de um modo geral, são reprodutores de ideologias (modos de ser, agir, sentir e se posicionar) tanto quanto seus alunos, e, quando um professor se posiciona como superior ou dono do saber, se coloca na posição de ditador de regras, a formar alunos obedientes, pacatos e submissos, não permitindo a estes indivíduos o desenvolvimento de suas potencialidades de maneira espontânea, acostumando a serem e agirem de acordo com as normas estabelecidas, seja lá onde forem ou estiverem.

Mas a realidade que vivenciamos não é um prato pronto, e sim fruto de um processo que se constrói em conjunto. A educação como prática produtora da existência humana e de suas formas de intervir no mundo é um ato político, criador de modos de ser e agir no mundo. O papel do professor deveria ser de potencializar os alunos e não amedrontá-los, a educação é uma experiência de quem cria, e não de quem é teleguiado. O processo educativo deve se pautar numa prática democrática, reconhecendo a identidade histórica e cultural de cada um, sempre comprometido com a ética e o respeito. Para isso, temos de romper com a prática tradicional e os costumes por ela cristalizados - o autoritarismo e a alienação.

O educando tem de ter espaço suficiente para que seja e se reconheça como o participante ativo da construção de seu conhecimento, sentindo-se parte responsável da construção e da re-construção do espaço escolar e da sociedade, num processo que acontece no diálogo com o educador e seus outros colegas, para que seja possível perceber e transformar a realidade condicional. Com uma prática democrática e livre, poderemos então reconhecer que todos somos autores de nosso processo histórico, e como educadores temos de propiciar a emancipação e potencialização dos sujeitos para que possam se construir e se assumir de maneira autônoma e consciente, intervindo em sua realidade para melhorar.

A prática educativa acontece num espaço de convivência, numa relação do conteúdo a ser dialogado e a experiência histórico-cultural e os anseios de cada um. Sendo assim temos o dever de questionar nossa prática: se ela está pautada na educação tradicional que inferioriza e coisifica os alunos, ou se o seu objetivo é a construção de seres autônomos e conscientes de sua responsabilidade para com os outros e a si mesmo, numa prática que supera os limites pessoais e proporciona uma relação que afirma o indivíduo, ao invés de negá-lo.


Bruno Carrasco, outubro de 2010.

1 comentarios:

claudinei disse...

A posição adotada pelo "status quo": " o número de acidentes automobilístico aumentam ano a ano?'. A solução?....: AUMENTAR AS HORAS DE AUTO-ESCOLA!"
"Os índices escolares estão baixos?... A solução?: AUMENTAR A CARGA HORÁRIA!"

E assim as coisas se mantém...São mais fáceis "soluções" rápidas, ao invés de ir no foco da questão... é a prática da coisificação humana; da padronização; da discussão de "big brother" e novelas das 9 na pauta do dia.
Concordo plenamente com a abolição das tradicionais práticas de educação que tem sido, na verdade, mero repasse do que se aprendeu, sem novidades, sem motivações, sem estimular qualquer desenvolvimento humano.

Postar um comentário

Sobre as citações

As citações expostas nesta página têm por único objetivo promover e difundir valores culturais e conhecimento, muitas pessoas não teriam acesso de outra maneira a este tesouro cultural pertencente a toda humanidade. De nenhuma maneira se pretende obter algum benefício financeiros por meio disto, e se algum autor ou compositor, representante legal ou contenedor de direitos considera que a exposição de algum material em particular afeta seus direitos de autor, peço que comunique a fim de proceder a remover qualquer link, obrigado.

Facebook